Toque de letra
Tomás da Cunha
2020/03/19
E0
Sei que não há explicação para tudo o que acontece dentro de campo, mas não me conformo. Falemos de dúvidas e inquietações, do passado e do futuro, dos génios da táctica aos treinadores da alma. E dos artistas, claro. Que seja o que o futebol quiser.

Quinta-feira. Uma como as outras, em que começamos a ganhar apetite para o fim-de-semana futebolístico. Por cá, a luta a dois pelo título continua e ninguém pode (ou deve) tropeçar. Mas também em Espanha, Itália, Alemanha e Holanda há muito para contar. As jornadas sucedem-se, a pressão aumenta, os campeões nascem.

Em Maio, Benfica/Porto (risquem a hipótese que menos vos interessar) festejam como se não houvesse amanhã, deixando para trás as críticas ao nível exibicional que mostraram durante a temporada. "Pouco importa, pouco importa", passando a bola à selecção nacional. Somos campeões europeus e vamos defender o título. Entretanto, com particulares pelo meio, Cristiano Ronaldo está a apenas dois golos de ultrapassar Ali Daei como o melhor marcador internacional de sempre. Portugal apurou-se para os oitavos-de-final do Euro 2020 e toda a gente acredita que o recorde ainda cai nesta competição. Só não vos conto o que acontece mais para o fim porque nem sequer me atrevo a imaginar um guião à Fernando Santos.

Por mais mirabolante que seja, não deve chegar aos calcanhares da final da Champions. Em Istambul, cidade que já nos habituou a reviravoltas extraordinárias, a Atalanta vira um 2-0 contra a Juventus e prova que o futebol ainda se joga no relvado. Papu Gómez, nos festejos do golo decisivo, levanta a camisola e pode ler-se: "O dinheiro não joga nem compra grandeza, Agnelli". Ilicic é considerado o craque da competição.

Gasperini não é o único treinador italiano a escrever um capítulo memorável. Simone Inzaghi, com uma obra-prima pessoal e intransmissível, leva a Lazio ao scudetto depois de 20 anos. Immobile torna-se uma lenda do clube romano e Luís Alberto passa a semi-deus. Totti, chateado com a brincadeira, decide voltar ao activo.

There’s something that the Kop want you to know

The best in the world… his name is Bobby Firmino

Our number 9

Give him the ball and he’ll score every time

Sí señor

Give the ball to Bobby and he will score

Firminooooooo. Já com Steven Gerrard em campo, marca o brasileiro frente ao Aston Villa e Anfield chora de alegria. A narração tipicamente inglesa do golo do Liverpool não nos deixa esquecer a importância do momento. Há uns anos chegou a parecer impossível, mas os reds são campeões novamente. É a primeira Premier League. E nem foi preciso chegar a Maio para os heróis de Klopp encontrarem o fim do arco-íris.

Sem darmos conta, voltaram os rumores e as expectativas naturais de qualquer pré-época. Este ano é que é. Estamos todos ansiosos por conhecer melhor aquele novo craque. Escreveu Arthur Hopcraft (jornalista e escritor inglês) que, no futebol, a ficção quase nunca é melhor do que a realidade. E não é mesmo.



Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
Ir a um estádio de futebol pode fazer-nos pensar que o caminho para a baliza é em linha recta. "Para a frente!", grita-se a cada passe para trás ou para o lado. ...
15-01-2020 13:11E5
O futebol de 2019 é diferente de outros “futebóis”. Um encontro da década de 50 ou 60 do século passado tinha mais avançados do que defesas em campo ...
20-08-2019 12:27E5
O homem de cristal pendurou as chuteiras. Depois de mil diagonais da direita para o centro e de uns quantos golos em modo de fotocópia, é válido e justíssimo instaurar ...
04-07-2019 18:35
Opinião
O sítio dos Gverreiros
António Costa
Vénia ao 3º Anel
Filipe Inglês
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
O sítio dos Gverreiros
António Costa
Toque de letra
Tomás da Cunha
A Coluna é do Cavani
A Culpa é do Cavani