betclicpt
      A preto e branco
      Luís Cirilo Carvalho
      2019/11/01
      E0
      "A Preto e Branco” é uma coluna de opinião que procurará reflectir sobre o futebol português em todas as suas vertentes, de uma forma frontal e sem tibiezas nem equívocos, traduzindo o pensamento em liberdade do seu autor sobre todas as questões que se proponha abordar.
      No complexo mundo do futebol são mais que muitos os interesses que movem os seus intervenientes, que vão do sucesso desportivo aos proveitos financeiros passando por outros ganhos mais ou menos quantificáveis.
       
      Isto quando se fala de jogadores, de treinadores, de administrações de sociedades anónimas desportivas ou de outros intervenientes que fazem do futebol profissão.
       
      Não é, contudo, o caso dos adeptos.
       
      Porque esses apenas buscam no futebol algo tão simples como o simples facto de serem felizes.
       
      Felizes com os sucessos e triunfos das suas equipas, felizes com o destaque individual dos seus atletas e treinadores favoritos, felizes quando no “confronto” com os seus amigos, familiares, colegas e conhecidos poderem dizer que o seu clube é melhor que o deles.
       
      É da natureza humana e ninguém pode levar a mal. E há que reconhecer que o futebol, que agita e provoca paixões como mais nenhum desporto e poucas mais situações da vida de cada um, proporciona, a quem dele gosta, momentos de intensa felicidade.
       
      Quando o nosso clube ganha títulos e taças, quando o nosso ídolo ganha troféus individuais de relevo, quando os nossos adeptos enchem bancadas e fazem do seu apoio à equipa um espectáculo dentro do espectáculo que os torna motivo de admiração e reconhecimento um pouco por todo o lado.
       
      É essa a grande magia do futebol.
       
      O fazer as pessoas felizes ao sabor dos caprichos de uma bola, do talento dos jogadores, da liderança dos treinadores.
       
      Obviamente que, quando um ganha outro tem de perder, a felicidade de uns é a tristeza de outros, mas o futebol tem tantas reviravoltas, tanta magia, tão grande sortilégio que quando atinge a sua expressão mais pura, as vitórias e derrotas vão-se alternando e todos têm o seu motivo de felicidade, embora uns mais do que outros.
       
      Mas para lá da simpatia e do fervor clubístico, que todos temos, há um espaço que tem de ficar reservado para a admiração do próprio futebol e para nos maravilharmos com o quão sublime ele por vezes consegue ser.
       
      Não falo das espantosas jogadas de Pelé ou Eusébio, da magia de Maradona , Messi ou Ronaldinho, da eficácia extraordinária de Cristiano Ronaldo, Romário ou Van Basten, da dimensão de Cruyff e Beckenbauer, do potencial sem paralelo de Ronaldo, das defesas mágicas de Yashin, Buffon ou Preud’homme, já que tudo isso representa o melhor que o futebol tem em termos de paixão e de espectáculo.
       
      Não.
       
      Falo do futebol no seu estado mais puro, das equipas que fazem do golo a prioridade absoluta do seu jogo, daqueles desafios que ficam para a história pela espectacularidade das exibições, pela alternância nos resultados, pelos golos que selam o resultado final.
       
      Todos aqueles que gostam do futebol dessa forma, que o sabem ver para lá das simpatias clubísticas e que o reconhecem como um espectáculo incomparável tiveram esta semana um momento sublime que devia ser de visualização obrigatória para todos aqueles que querem aprender a gostar de futebol.
       
      Refiro-me, como está bom de ver, a esse espantoso jogo entre Liverpool e Arsenal a contar para a Taça da Liga Inglesa, que teve em Anfield Road um palco bem adequado e que terminou com um empate a cinco golos no tempo regulamentar, tendo os actuais campeões europeus vencido no desempate por grande penalidades por 5x4.
       
      Dez golos em noventa minutos de jogo é simplesmente fabuloso.
       
      E para quem teve a oportunidade de ver o jogo, de assistir à intensidade com que o mesmo se desenrolou, às constantes alternâncias no marcador, aos golos espectaculares que se verificaram, apenas se pode sentir maravilhado com aquilo que o futebol às vezes nos proporciona e que de vez em quando desperdiçamos devido a clubites exacerbadas que cada vez devem ter menos lugar.
       
      Confesso que vitoriano que sou me sinto feliz, enquanto apreciador de futebol, ao ver um jogo daqueles entre duas equipas de que não sou adepto embora não negue uma velha e pequena simpatia pelo Liverpool.
       
      E, ao contrário daquela frase, tão feita quanto oca, de chamar a um jogo com vários golos um “jogo de loucos” como fazem alguns que preferem repetir frases sem sentido ao invés de pensarem em produzir comentários inteligentes sobre este jogo entre Liverpool e Arsenal, apenas se pode e deve chamar...Futebol! Porque foi isso que ele foi!
       
      E agradecer a Liverpool e Arsenal esse momento extraordinário que nos proporcionaram.
       
      P.S: Se aos dez golos do jogo jogado acrescentarmos os nove das grandes penalidades ainda mais razão termos para nos sentirmos felizes. Porque as grandes penalidades não são golos certos, mas sim e “apenas” claras oportunidades de golo, nem são “lotaria” (como os adeptos das frases feitas tanto gostam de dizer), mas sim exercício de competência.
       
      E, por isso, também elas foram parte integrante desse grande espectáculo.
      E por isso também elas foram parte integrante desse grande espectáculo.No complexo mundo do futebol são mais que muitos os interesses que movem os seus
      intervenientes, que vão do sucesso desportivo aos proveitos financeiros passando por outros
      ganhos mais ou menos quantificáveis.
      Isto quando se fala de jogadores, de treinadores, de administrações de sociedades anónimas
      desportivas ou de outros intervenientes que fazem do futebol profissão.
      Não é contudo o caso dos adeptos.
      Porque esses apenas buscam no futebol algo de tão simples como poderem ser felizes.
      Felizes com os sucessos e triunfos das suas equipas, felizes com o destaque individual dos seus
      atletas e treinadores favoritos, felizes quando no “confronto” com os seus amigos, familiares,
      colegas e conhecidos podem dizer que o seu clube é melhor que o deles.
      É da natureza humana e ninguém pode levar a mal.
      E há que reconhecer que o futebol, que agita e provoca paixões como mais nenhum desporto
      e poucas mais situações da vida de cada um , proporciona a c«quem dele gosta momentos de
      intensa felicidade.
      Quando o nosso clube ganha títulos e taças, quando o nosso ídolo ganha troféus individuais de
      relevo, quando os nossos adeptos enchem bancadas e fazem do seu apoio à nossa equipa um
      espectáculo dentro do espectáculo que nos torna motivo de admiração e reconhecimento um
      pouco por todo o lado.
      É essa a grande magia do futebol.
      O fazer as pessoas felizes ao sabor dos caprichos de uma bola, do talento dos jogadores, da
      liderança dos treinadores.
      Obviamente que quando um ganha outro tem de perder, que a felicidade de uns é a tristeza
      de outros, mas o futebol tem tantas reviravoltas, tanta magia, tão grande sortilégio que
      quando atinge a sua expressão mais pura as vitorias e derrotas vão-se alternando e todos tem
      sempre o seu motivo de felicidade embora uns mais vezes que outros.
      Mas para lá da simpatia e do fervor clubístico, que todos temos, há um espaço que tem de
      ficar reservado para a admiração do próprio futebol e para nos maravilharmos com o quão
      sublime ele por vezes consegue ser.
      Não falo das espantosas jogadas de Pelé ou Eusébio, da magia de Maradona , Messi ou
      Ronaldinho, da eficácia extraordinária de Cristiano Ronaldo, Romário ou Van Basten, da
      dimensão de Cruyff e Beckenbauer, do potencial sem paralelo de Ronaldo , das defesas
      mágicas de Yashin, Buffon ou Preud’homme que tudo isso representa o melhor que o futebol
      tem em termos de paixão e de espectáculo.
      Não.
      Falo do futebol no seu estado mais puro, das equipas que fazem do golo a prioridade absoluta
      do seu jogo, daqueles desafios que ficam para a História pela espectacularidade das exibições,
      pela alternância nos resultados, pelos golos que selam o resultado final.
      Todos aqueles que gostam do futebol dessa forma, que o sabem ver para lá das simpatias
      clubísticas, que o reconhecem como um espectáculo incomparável tiveram esta semana um
      momento sublime que devia ser de visualização obrigatória para todos aqueles que querem
      aprender a gostar de futebol.
      Refiro-me , como está bom de ver, a esse espantoso jogo entre Liverpool e Arsenal a contar
      para a taça da liga inglesa, que teve em Anfield Road um palco bem adequado , e terminou
       
      com um empate a cinco golos e que depois os actuais campeões europeus venceram no
      desempate por grande penalidades por 5-4.
      Dez golos em noventa minutos de jogo é simplesmente fabuloso.
      E para quem teve a oportunidade de ver o jogo, de assistir à intensidade com que o mesmo se
      desenrolou, às constantes alternâncias no marcador, aos golos espectaculares que se
      verificaram apenas se pode sentir maravilhado com aquilo que o futebol às vezes nos
      proporciona e que de quando em vez desperdiçamos ao sabor de clubites exacerbadas que
      cada vez devem ter menos lugar.
      Confesso que vitoriano que sou me sinto feliz, enquanto apreciador de futebol, ao ver um
      jogo daqueles entre duas equipas de que não sou adepto embora não negue uma velha e
      pequena simpatia pelo Liverpool.
      E ao contrário daquela frase, tão feita quanto oca, de chamar a um jogo com vários golos um
      “jogo de loucos” como fazem alguns que preferem repetir frases sem sentido ao invés de
      pensarem em produzir comentários inteligentes a este jogo entre Liverpool e Arsenal apenas
      se pode e deve chamar...Futebol!
      Porque foi isso que ele foi!
      E agradecer a Liverpool e Arsenal esse momento extraordinário que nos proporcionaram.
      P.S Se aos dez golos do jogo jogado acrescentarmos os nove das grandes penalidades ainda
      mais razão termos para nos sentirmos felizes.
      Porque as grandes penalidades nem são golos certos, mas sim e “apenas” claras
      oportunidades de golo, nem são “lotaria” (como os adeptos das frases feitas tanto gostam de
      dizer) mas sim exercício de competência.
      E por isso também elas foram parte integrante desse grande espectáculo.


      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      Já por diversas vezes tive oportunidade de, neste espaço, manifestar as maiores dúvidas e reservas sobre o recomeço do campeonato nestas condições ...
      02-06-2020 00:30E2
      Uma das vantagens de viver a vida com alegria e optimismo, quanto baste, como é obvio, é o facto de ela nos dar a possibilidade de em quase tudo podermos ver um lado positivo e ...
      22-05-2020 18:56
      Em 1997, se não me falha a memória, os associados do Vitória Sport Clube, no âmbito dos festejos dos 75 anos do clube, deliberaram em Assembleia Geral atribuir ao ...
      13-05-2020 18:47E1
      Opinião
      A Coluna é do Cavani
      A Culpa é do Cavani
      A preto e branco
      Luís Cirilo Carvalho
      Pelas minhas gavetas do futebol
      Tiago S. Nogueira
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Pontapés na atmosfera
      Pedro Fragoso